Todo conteúdo deste blog é publico.

Todo conteúdo deste blog é publico. Copie, imprima ou poste textos e imagens daqui em outros blogs. Vamos divulgar o Espiritismo.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010


Maternidade


Vemos em cada manifestação da Vida determinada meta de desenvolvimento, qual anseio do próprio Deus a concretizar-se.

Na Criação, o clímax da grandeza.

Na caridade, o vértice da virtude.

Na paz, a culminância da luta.

No êxito, a exaltação do ideal.

Nos filhos, a essência do amor.

No lar, a glória da união.

De igual modo, a maternidade é a plenitude do coração feminino que norteia o progresso.

Concepção, gravidez, parto e devoção afetiva representam estações difíceis e belas de um ministério sempre divino.

Láurea celeste na mulher de todas as condições; define o inderrogável recurso à existência humana, reclamando paciência e carinho, renúncia e entendimento.

Maternidade esperada.

Maternidade imprevista.

Maternidade aceita.

Maternidade hostilizada.

Maternidade socorrida.

Maternidade desamparada.

Misto de júbilo e sofrimento, missão e prova, a maternidade, em qualquer parte, traduz intercâmbio de amor incomensurável, em que desponta, sublime e sempre novo, o ensejo de burilamento das almas na ascensão dos destinos.

Principais responsáveis por semelhante concessão da Bondade Infinita, as mães guardam as chaves de controle do mundo.

Mães de sábios...

Mães de idiotas...

Mães felizes...

Mães desditosas...

Mães jovens...

Mães experientes...

Mães sadias...

Mães enfermas...

Ao filtro do amor que lhes verte do seio, deve o Plano Terrestre o despovoamento dos círculos inferiores da Vida Espiritual, para que o Reino de Deus se erga entre as criaturas.

Mães da Terra! Mães anônimas!

Sois vasos eleitos para a luz da reencarnação!

Por maiores se façam os suplícios impostos à vossa frente, não recuseis vosso augusto dever, nem susteis o hálito do filhinho nascente – esperança do Céu a repontar-vos do peito!...

Não surge o berço de vosso coração por acaso.

Mantende-vos, assim, vigilantes e abnegadas, na certeza de que se muitos cipoais e espinheiros são vossa herança transitória entre os homens, todas vós sereis amparadas e sustentadas pela Bênção do Amor Eterno, sempre que marchardes fiéis à Excelsa Paternidade da Providência Divina.


Livro: O Espírito da Verdade – Médium: Chico Xavier – Espírito: André Luiz.

4 comentários:

  1. Querido amigo, sem dúvida alguma, a maternidade é uma benção divina... maravilhosa...oportunidade de evolução para todos...
    Tenha um bom dia amigo...beijos
    Valéria

    ResponderExcluir
  2. Bom dia querida Valéria; a maternidade é nossa porta bendita de reentrada na experiência física.
    Um lindo dia para você.
    Beijos,
    Carlos

    ResponderExcluir
  3. Carlos. Esse texto sobre maternidade me sensibilizou sobremaneira. Ser mãe é uma bênção de Deus. É a coisa mais maravilhosa que pode acontecer a uma mulher: experimentar o verdadeiro amor, incondicional, sem cobranças, puro, verdadeiro e grandioso. Pude ser mãe por 22 anos e 10 meses. A parte mais linda de minha história. Mas Deus quis que minha filha partisse. Hoje ela mora dentro de mim. Beijos e ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  4. Maria José, amiga querida; uma vez mãe, mãe serás sempre. Onde seu coração estiver, lá estará o amor.
    Um lindo final de semana a você.
    Beijos,
    Carlos

    ResponderExcluir