Todo conteúdo deste blog é publico.

Todo conteúdo deste blog é publico. Copie, imprima ou poste textos e imagens daqui em outros blogs. Vamos divulgar o Espiritismo.

terça-feira, 19 de julho de 2011

NA INTIMIDADE DOMÉSTICA


A história do bom samaritano, repetidamente estudada, oferece conclusões sempre novas.


O viajante compassivo encontra o ferido anônimo na estrada.


Não hesita em auxiliá-lo.


Estende-lhe as mãos.


Pensa-lhe as feridas.


Recolhe-o nos braços sem qualquer idéia de preconceito.


Conduze-o ao albergue mais próximo.


Garante-lhe a pousada.


Olvida conveniências e permanece junto dele, enquanto necessário.


Abstém-se de indagações.


Parte ao encontro do dever, assegurando-lhe a assistência com os recursos da própria bolsa, sem prescrever-lhe obrigações.


Jesus transmitiu-nos a parábola, ensinando-nos o exercício da caridade real, mas, até agora, transcorridos mais de dois milênios, aplicamo-la, via de regra, às pessoas que não nos comungam o quadro particular.


Quase sempre, todavia, temos os caídos do reduto doméstico.


Não descem de Jerusalém para Jericó, mas tombam da fé para a desilusão e da alegria para a dor, espoliados nas melhores esperanças, em rudes experiências.


Quantas vezes surpreendemos as vítimas da obsessão e do erro, da tristeza e da provação, dentro de casa!


Julgamos, assim, que a parábola do bom samaritano produzirá também efeitos admiráveis, toda vez que nos decidirmos a usá-la, na vida íntima, compreendendo e auxiliando os vizinhos e companheiros, parentes e amigos, sem nada exigir e sem nada perguntar.


Livro: Coragem – Médium: Chico Xavier – Espírito: Emmanuel.
Fonte da imagem: Internet

2 comentários:

  1. belissimo texto meu amigo que nos faz compreender
    que a caridade se faz necessaria em todos os lugares e é valida tanto distante ou proximo
    do nosso ambiente diario,amor e solidariedade
    são bençãos em nossa vida em qualquer circunstancia,obrigada por compartilhar texto tão maravilhoso,um abraço marlene

    ResponderExcluir
  2. Tudo começa no lar, não é querida amiga Marlene.

    Um abraço,

    Carlos

    ResponderExcluir