Todo conteúdo deste blog é publico.

Todo conteúdo deste blog é publico. Copie, imprima ou poste textos e imagens daqui em outros blogs. Vamos divulgar o Espiritismo.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO


Cap. 14 – Honra a Teu Pai e A Tua Mãe


Quem É Minha Mãe e Quem São Meus Irmãos?


5 – E vieram à casa; e concorreu de novo tanta gente, que nem mesmo podiam tomar o alimento. — E quando isto ouviram os seus, saíram para o prender; porque diziam: Ele está furioso. E chegaram sua mãe e seus irmãos, e ficando da parte de fora, o mandaram chamar. — Estava sentado à roda de um crescido número de gente, e lhe disseram: Olha que tua mãe e teus irmãos te buscam aí fora.— E ele respondeu, dizendo: Quem é minha, e quem são meus irmãos? — E olhando para os que estavam sentados à roda de si: Eis aqui, lhes disse, minha mãe e meus irmãos. Porque o que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã e minha mãe. (Marcos, III: 20-21 e 31-35 – Mateus, XII: 46-50).


6 – Certas palavras parecem estranhas na boca de Jesus, pois contrastam com a sua bondade e a sua inalterável benevolência para com todos. Os incrédulos não deixaram de se aproveitar disso, para dizer que Ele se contradizia a si mesmo.


Um fato irrecusável, porém, é que a sua doutrina tem por base essencial, por pedra angular, a lei do amor e da caridade.


Ele não podia, pois, destruir de um lado o que construía do outro, de onde é imperioso tirar esta conseqüência rigorosa: se certas máximas estão em contradição com aquele princípio, é que as palavras que se lhe atribuem foram mal reproduzidas, mal compreendidas, ou não lhe pertencem.


7 – Admira-se, e com razão, de ver Jesus mostrar, nesta circunstância, tanta indiferença para com os seus, e de qualquer sorte renegar sua mãe. Pelo que respeita aos seus irmãos, sabe-se que nunca tiveram simpatia por Ele. Espíritos pouco adiantados, não haviam compreendido a sua missão. Era bizarra, para eles, a conduta de Jesus, e seus ensinamentos não os haviam tocado, pois nenhum deles se fez seu discípulo. Parece mesmo que eles participavam, até certo ponto, das prevenções de seus inimigos. De resto, é certo que o recebiam mais como um estranho do que como um irmão, quando se apresentava em família. E São João diz, positivamente: que não acreditavam nele. (Ver cap. VII)


Quanto à sua mãe, ninguém contestaria sua ternura para com o filho. Mas é necessário convir, também, que ela não parece ter feito uma idéia justa de sua missão, pois jamais se soube que seguisse os seus ensinos, nem que desse testemunho dele, como o fez João Batista.


A solicitude maternal era o seu sentimento dominante. No tocante a Jesus, supor que houvesse renegado sua mãe, seria desconhecer-lhe o caráter, pois semelhante pensamento não poderia animar aquele que disse: Honra a teu pai e a tua mãe.


É, pois, necessário procurar outro sentido para as suas palavras, quase sempre veladas pela forma alegórica.


Jesus não perdia nenhuma ocasião de ensinar. Serviu-se, portanto, da que lhe oferecia a chegada de sua família, para estabelecer a diferença entre o parentesco corporal e o parentesco espiritual.


Fonte da imagem: Internet Google.

4 comentários:

  1. LINDO TEXTO MEU QUERIDO CARLOS NES ADVERTE QUE PARA O QUE PROFESSA O EVNGELHO E DIVULGA O ESPIRITISMO É NESCESSARIO QUE SOBRESALTE EM SI MESMO O LADO ESPIRITUAL E NÃO O MATERIAL,FAZENDO
    ASSIM JUS AO QUE ENSINA E ACREDITA,
    UM GRANDE ABRAÇO COM CARINHO MARLENE

    ResponderExcluir
  2. Meu bom amigo, estas palavras de Jesus pode nos chocar a principio, mas o que ele quis nos dizer é que não nos prendamos aos papeis dos que conosco convivem ou não, mas sim que somos todos irmanados pela força do Amor, ou seja, não pelos laços do sangue, mas pelos laços espirituais, que não devemos amar mais alguns parentes próximos ou prediletos, mas sim, amar a todos sem distinção. Uma verdadeira aula de amor incondicional pra todos nós.
    Beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  3. Isto mesmo Querida Marlene. Nossa família vai alem da família consangüínea.
    Felicidades,
    Carlos

    ResponderExcluir
  4. Sim querida Valéria; nossa família é a humanidade, mas não nos esqueçamos que a família consangüínea faz parte desta humanidade.
    Beijos,
    Carlos

    ResponderExcluir